domingo, 25 de agosto de 2013

Guia de Plantas - visitadas por abelhas na Caatinga.

No link abaixo você poderá conhecer algumas plantas que são visitadas por abelhas no nosso maravilhoso sertão. 

http://www.mma.gov.br/estruturas/203/_arquivos/livro_203.pdf 

Por : Camila Maia-Silva, Cláudia Inês da Silva,
Michael Hrncir, Rubens Teixeira de Queiroz
e Vera Lucia Imperatriz-Fonseca

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Maturação do mel de abelhas nativas sem ferrão

O mel das abelhas nativas sem ferrão (ou natmel) vem crescentemente despertando interesse no mercado
consumidor, apesar da barreira que dificulta a sua comercialização em função do seu alto teor de água, o qual torna o produto instável em prateleira. Uma tecnologia de conservação desse tipo de mel, denominada de maturação, vem sendo experimentada há 9 anos em 19 comunidades rurais do nordeste do Maranhão, Brasil. As análises físico-químicas e microbiológicas, que vem sendo realizadas periodicamente, vem atestando a eficácia do processo. Teste de aceitação do consumidor em feiras e mercados tem mostrado que o produto vem conquistando cada vez mais adeptos da linha gastronômica. Embora o processo valoriza a agricultura familiar, um protótipo de maturação industrial está sendo desenvolvido para atender a demanda cada vez mais crescente para este tipo de mel.

A meliponicultura vem despertando, nos últimos anos, interesse considerável, tanto por parte de Comunidades rurais, que veem, na prática, possibilidades reais de geração de renda, quanto por parte de consumidores do mel de abelhas nativas, gourmets e chefs, os quais vêm, crescentemente, elaborando
conceitos novos no uso alimentício e culinário do produto, seja pelas suas propriedades supostamente medicinais, seja pelo seu paladar diferenciado. Um dos maiores problemas que dificulta a expansão da meliponicultura está na cadeia de mercado do mel dessas abelhas. O produto, devido o seu maior teor de água, de 25 a 30%, tem pouca durabilidade em prateleira, fermentando-se com facilidade. Este problema
acaba por forçar o produtor a manter o produto em geladeira, ou a submetê-lo a um dos dois
tipos de tratamento normalmente utilizados para aumentar a sua durabilidade: a pasteurização
ou a desidratação (ou desumidificação). Ambas as técnicas possuem inconvenientes – o
principal deles se refere à alteração das características do produto, comprometendo muito de suas propriedades, dentre as quais o paladar, muito valorizado pelos gourmets; outro inconveniente é o custo bastante elevado desses tratamentos, quando falamos de produção acima de 100 kilos. No Maranhão, o
Projeto Abelhas Nativas, estará processandoaté 2011 cerca de 1 tonelada do produto de
diferentes comunidades rurais [1]. Na busca por uma forma maiseconômica de tratamento desse tipo de mel (ou natmel), e a partir das observações de criadores tradicionais, é que procurou-se desenvolver e
aperfeiçoar uma nova técnica de conservação, a qual denominou-se de maturação. Com o intuito de testar a eficácia dessa técnica na manutenção dos parâmetros físicos-químicos e microbiológicos aceitáveis [2,3,4] e de avaliar sua viabilidade econômica, diversas experimentações foram realizadas, tanto em laboratórios de alimentos, quanto em feiras de produtos sustentáveis. Material e métodos O trabalho, realizado de 2001-2010, envolveu a coleta sistematizada e controlada do mel de abelhas nativas em 19 comunidades do
Projeto Abelhas Nativas [5], o beneficiamento do produto por meio da maturação e a posterior distribuição a diferentes consumidores, em diferentes regiões do país, pela qual o produto era sempre avaliado em diferentes pesquisas de opinião. Concomitantemente, amostras controle eram periodicamente submetidas à
análises microbiológicas e físico-químicas. Adotou-se um procedimento padrão de coleta que passou a ser referência em todas as extrações de mel realizadas nas comunidades participantes. Da mesma forma, o procedimento de maturação passou o ser padronizado. - Procedimentos de coleta: Na coleta do mel tomou-se sempre os seguintes cuidados:
a) Não se realizou a mistura de mel de colônias diferentes - desta forma, além de valorizar o produto comercialmente, qualquer desvio na maturação poderia ser isolado do restante do estoque;
b) Coleta e manutenção do mel acondicionado em frascos pequenos bem limpos, de 500
ml, hermeticamente fechados – frascos com esta capacidade estão mais apropriados ao aparelho de coleta que é utilizado pelo Projeto Abelhas Nativas – o Glossador; ademais qualquer mel que tivesse um
desvio na maturação poderia ser isolado do restante do estoque; c) Entre a coleta e o envase não realizou-se transferências do produto – o mel coletado em frascos de 500 ml pode ser maturado dentro do próprio frasco o que evita risco de contaminação e comprometimento da maturação. d) Tomou-se todas as medidas extremas de higiene na coleta e manuseio – limpesa da caixa com pano e pincel antes de abri-la e
utilização de máscaras, toucas, luvas, avental e tenda de extração. - Procedimentos de maturação:
a) Após a colheita do natmel, que seguiu rigorosamente as boas práticas de higiene, conforme o protocolo acima descrito, os frascos de 500 ml foram mantidos hermeticamente fechados, em ambiente escuro protegidos de oscilação brusca de temperatura. Nestas condições os frascos  ficaram até o ciclo final de maturação. A fermentação se iniciou em torno de 15 dias, ou menos, como atividade natural das
leveduras presentes no mel;  b) Após 15 dias afrouxou-se a tampa de cada frasco para que escapasse o gás que se formava no interior dos frascos e fechou-os imediatamente. Repetiu-se este procedimento 1 vez a cada semana enquanto a fermentação estava acontecendo. Com o tempo, a pressão da fermentação começou a diminuir; c) Durante o processo de fermentação se formava uma espuma na superfície do mel.
A medida que a mesma foi cessando esta espuma ficava mais consistente tendendo a grudar na parede interna do frasco até o ponto em que dando uma leve inclinada no mesmo o anel de espuma não se deslocava com o movimento do frasco; d) Quando a produção de gás cessou completamente e a espuma da superfície do mel não acompanhava mais o movimento do mesmo, o produto estava pronto para ser envasado.

Resultados e discussão

Não sabemos porque alguns méis fermentam e outros não, mas todos eles, submetidos a análise microbiológica e fisicoquímica, tem se mostrado dentro dos padrões normais para consumo humano, após o periodo de maturação. Mesmo mel com dois anos de extração e maturado se encontrava dentro dos
parâmetros aceitáveis. As análises serão apresentadas oportunamente quando se finalizar os testes de prateleira e imunológicos que ainda estão em andamento. O processo de maturação utilizado pelo 
Projeto Abelhas Nativas tem permitido destacar uma qualidade até então não percebida no mel
das abelhas nativas: a diversidade de sabores regionais que são acentuados em função das
diversidade das floradas de cada ecossistema onde se localizam os pastos apícolas, abrindo
perspectiva de obtenção de selo de identidade geográfica. Isto é o que tem despertado
interesse entre os especialistas de alimentação, os quais vêm explorando esta diversidade no
preparo de diferentes produtos sejam pratos doces, sejam pratos salgados [6]. Por conta
dessa demanda, oficinas de degustação de natmel vêm crescentemente despertando
seguidores, a ponto de surgir possivelmente e em breve, a categoria do profissional em
degustação desse tipo de produto.  Atualmente, está sendo instalado um
protótipo de unidade industrial de maturação, envolvendo grandes volumes de mel (acima de
1 tonelada). Todos os cuidados estão sendo  tomados para tornar o processo de maturação
viável economicamente mesmo para produtores de baixa renda, que são os principais clientes
no norte e nordeste do Brasil para mel  processado sob esta tecnologia. 
Conclusões
A tecnologia de maturação tem se mostrado suficiente para tornar o mel de abelhas nativas sem ferrão estável em prateleira e dentro dos parâmetros para o consumo humano. A diversidade de sabores destacadas pela tecnologia de maturação, de produções de diferentes regiões, torna o mel de abelhas
nativas sem ferrão um produto com um grande potencial gastronômico. O mel de abelhas nativas sem ferrão
possui um nicho de mercado bastante diferenciado do mel das abelhas africanizadas,  e desta forma deve ser explorado. Para isto, os maiores centros produtores desse tipo de mel, norte e nordeste do Brasil, são a fonte primária para beneficiar a meliponicultura com base na agricultura familiar.

Referencias bibliográficas
1 – AMAVIDA, Boletim no.. 21, 2010.
2 - BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Instrução Normativa nº 11 de 20 de
outubro de 2000. Regulamento Técnico de
Identidade e Qualidade do Mel. Diário Oficial da
República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de
outubro de 2000.
3 - BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Instrução Normativa nº 62 de 26 de
agosto de 2003. Métodos Analíticos Oficiais para
Análise Microbiológica para Controle de Produtos de
Origem Animal e Água. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil, Brasília, 18 de setembro de
2003
4 - VILLAS-BÔAS, J. K e MALASPINA , O. (2005)
Parâmetros Físico-Químicos Propostos para o
Controle de Qualidade do Mel de Abelha Indígena
Sem Ferrão no Brasil . Mensagem Doce, no. 82,
Apacame, 2005.
5 - DRUMMOND, M. S. ; SERRA, B. D. V. ; PIRES,
V. C. ; MAIA, C. M. ; MALHEIROS, J. O. ; TENÓRIO,
E. G.; LAGO, C. S. ; CONSTANTINO, A. I. B. ;
CARVALHO, F. M. S. ; SANTOS, I. A. . Projeto
Abelhas Nativas: A Meliponicultura num Cenário
Comunitário1. In: 17o. Congresso Brasileiro de
Apicultura e 3o. de Meliponicultura, 2008, Belo
Horizonte. 17o. Congresso Brasileiro de
Apicultura e 3o. de Meliponicultura, 2008.
6–Revista MENU, Doçura nativa – O mel de abelhas
sem ferrão trás um universo de aromas que vão
muito além do tradicional produto da apicultura,
edição 138, Editora Três, 2010

domingo, 18 de agosto de 2013

Abelhas ajudam no reflorestamento de parques.

Abelha sem ferrão (ASF) tipicamente brasileira.


Conhecidas como 'operárias das matas', as abelhas melíponas são responsáveis pela germinação de quase 90% das flores e são essenciais no processo de reflorestamento de parques e corredores verdes do Rio de Janeiro. Além disso, o mel produzido por elas ajuda a gerar renda para famílias de comunidades carentes.


No link abaixo você pode ver a reportagem na integra. 


Video 1 - primeira parte.


Video 2 - Segunda parte.


Fonte-
Good News
REDE TV - NEWS

Abraços

Julio
Meliponario Aracruz.



terça-feira, 13 de agosto de 2013

A importância das abelhas para a Agricultura.

Publicado em 07/08/2013

Atualmente são conhecidas mais de 20 mil espécies de abelhas. Elas buscam alimentos em flores, e em uma única viagem visitam dezenas de flores de uma mesma espécie viabilizando sua fertilização. Este comportamento - a polinização, é de alta importância agrícola, pois as abelhas são responsáveis por 33% da produção agrícola mundial. A dependência de polinização por abelhas é variável: a maçã é altamente dependente e a canola pode elevar sua produtividade em até 70%. Entretanto, o declínio das populações de abelhas tem alarmado especialistas em várias regiões do mundo. As causas mais evidentes deste fenômeno são os desmatamentos e o uso de pesticidas. É fundamental o estabelecimento de práticas agrícolas amigáveis às abelhas.





Relato da Profª Drª Betina Blochtein.



quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Atrativo para abelhas sem ferrão.

Caros amigos caso queiram iniciar na meliponicultura o Lemao Navarro meliponicultor e motoqueiro nas folgas esta vendendo o kit  Lemao Navarro para atrair as abelhinhas sem ferrão. abaixo segue o contato do mesmo, boa sorte.