domingo, 23 de junho de 2013

Isca jatai - Bambu

Isca jataí – Bambu

Já a algum tempo venho amadurecendo uma idéia que surgiu em um encontro que aconteceu aqui em meu estado com alguns meliponicultores e na qual seria a utilização de bambu para criar uma isca natural e bem mais próxima da realidade das abelhas ao invés de fazer com garrafas pet´s, apesar da eficiência da mesma em captura de jataí. Mas a isca de bambu tem uma vantagem que acho importantíssima sobre a pet que e o reaproveitamento da mesma para outra captura já que os feromonio da jataí retirada estarão impregnados no bambu.
Esta semana participando de uma quermesse aqui no bairro, percebi que tinha alguns bambu enfeitando a entrada e a lateral da festa, então que me retornou a idéia de fazer a isca de bambu.
Então sem `` enterrasse `` aparente perguntei ao padre se poderia pegar os bambus após terminar a festa, e o mesmo me disse que seria um favor.

Com os bambus em mãos parti para o trabalho braçal e pude ter alguns progressos, postei algumas fotos.
































No site abaixo encontrei esta materia .
http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/53/experiencia2.htm

Isca  “Bambu-com-Vida”
 
José Luciano Panigassi, 27 anos. Natural de Pedreira –SP, engenheiro agrônomo e meliponicultor.
Fone.:  (019) 893.1857 Fax.:   (019) 893.1575  E-mail: Panigassi@netpedreira.com.br
    Com o desmatamento das florestas, as abelhas indígenas sem ferrão, que constroem ninhos principalmente em ocos de árvores; numa linguagem bem simples: "não estão tendo mais lugares na mata pra morar !". Com esse problema algumas espécies estão sendo obrigadas a se adaptarem às cidades.
     As pequenas parcelas de mata nativa, localizadas apenas nos topos dos morros, possuem poucas árvores de grande porte, as quais oferecem ocos de maior diâmetro para as abelhas fundarem suas colônias.
     Meu objetivo é manter a diversidade biológica nas matas e o da captura de meliponíneos sem a destruição de árvores, aumentando assim a população das abelhas indígenas sem ferrão, por isso desenvolvi uma isca muito simples, a um custo baixo, necessitando apenas de bambu, um pouco de tinta acrílica, arame, machado ou serrote e, combustível para a coleta.
     A isca para abrigar as colônias de abelhas indígenas sem ferrão, foi batizada por mim de "Bambu – com –Vida", que pode ter dois sentidos:
     - O convite do bambu para abrigar suas amigas; as abelhas indígenas sem ferrão;
     - O bambu no seu espaço interior, com a vida organizada das abelhas indígenas sem ferrão.
     A isca consiste em utilizar de preferência o bambu gigante (Dendrocálamus giganteus), por apresentar um oco com diâmetro maior, porém pode-se também utilizar outras espécies:
     Primeiramente corta-se o bambu maduro em pedaços com 2 ou 3m de comprimento, para evitar rachaduras e facilitar o transporte.
     Em seguida é preciso deixá-lo secar a sombra (em posição vertical), após verificar que o mesmo se encontra seco, deve-se cortá-lo com serrote mantendo 1 nó em cada extremidade. É claro que terão pedaços que ficarão sem nó, más poderão ser utilizados colando-se 1 tábua quadrada nas 2 extremidades.
 
 
Desenho1     Na parte superior do colmo (pedaço do bambu) acima do nó, deve-se fazer 2 furos para a passagem do arame a fim de ser pendurado em uma árvore. De preferência utilizar arame grosso e passar graxa para evitar a entrada de formigas.     Já na parte inferior do mesmo ( 2 cm acima do nó ), será feito o orifício de entrada das abelhas, com furadeira ou um ferro quente, o diâmetro vai depender da espécie de abelha indígena sem ferrão que se deseja capturar.
     Ex.: para a Jataí (Tetragonisca angustula), Mirim (Plebeia sp), Iraí (Nannotrigona testaceicornis) ou seja meliponíneos de porte físico pequeno, fazer um furo de 1 cm de diâmetro.
     Para abelhas de maior porte físico, como Mandaçaia (Melipona quadrifasciata),Uruçu- amarela (Melipona rufiventris ), Mandaguarí (Scaptotrigona postica) entre outras, fazer um furo de 1,5 a 2 cm de diâmetro.
 

Desenho 2Um artifício que facilita muito a atração das abelhas indígenas sem ferrão, é diluir o própolis ou o cerume em álcool de cereais ou comum e, passar essa mistura ao redor do orifício do bambu e, derramar um pouco em seu interior, para que exale o cheiro característico da colônia. O Eng.º Agr.º Jean Louis Jullien, grande criador de Jataí, costuma passar o própolis puro das mesmas, ao redor do orifício de entrada de suas caixas iscas, atraindo as abelhas e evitando a aproximação das formigas, já que o mesmo é grudento. Obs.: Se desejar capturar colônias de abelhas Jataí, então deve-se utilizar a mistura de própolis ou cerume da mesma espécie. A isca "Bambu-com-Vida" deverá ser mantida na posição vertical para imitar o oco de uma árvore. Devemos protegê-la da chuva através de pintura com tinta acrílica ( verde claro, marrom claro ou cinza claro), para imitar a cor dos troncos na natureza, fazer apenas uma marca com tinta branca para facilitar a procura do mesmo na mata. 

Desenho 3    Para impedir que a água da chuva se armazene na parte superior a forma mais barata de proteção é a utilização de um saco plástico, ou garrafa plástica de refrigerante de 2 l., (quando o bambu for de diâmetro menor).     É muito importante que se faça revisões nas iscas para a retirada de formigas, aranhas e outros insetos, que impeçam a nidificação dos meliponíneos.
     Um fato interessante que aconteceu comigo em (17/05/1998) quando fui à fazenda de um amigo a fim de buscar alguns colmos de bambu para fazer isca, com tantos para escolher, cortei justamente (sem saber) um que já abrigava um ninho das simpáticas Mirim (Plebeia sp) 
 
 

    Peço a todos os criadores e pesquisadores que utilizem esse método, até mesmo em projetos científicos, como a colocação das iscas em diferentes alturas e cores, para estudo das preferências dos meliponíneos e, como forma de criar locais de nidificação e sobrevivência, das nossas adoráveis abelhas indígenas sem ferrão. 

22 comentários:

  1. amigo vai ai uma dica vc pode fazer a proteção apenas com garrafa pet colocando de baixo para cima como se foçe um telhado ai depois é so aquecer no fogo que a garafa vai encolher formando uma boa proteção contra a chuva...

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela dica Vandernei fritz.

    ResponderExcluir
  3. ola amigo
    dentro do bambu nao prescisa de passar nada nao?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feromonio para atrair abelhas, alcool cereais e cera ou se nao passa loção navarro pega tudo.rs

      Excluir
  4. Amigo Julio!

    Que bela postagem.Realmente as iscas feitas de bambus são muito atrativas paras as abelhas,principalmente as trigonas;mas as melíponas também aceitam essa moradia.

    Abraço.
    Paulo Romero.
    Meliponário Braz.

    ResponderExcluir
  5. vc vende o exame já pronto estou querendo um examinho de jatai mas não estou conseguindo captura-las fico no aguardo da resposta obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. corumbatai cep; 13540000 fico no aguardo da resposta.. email btanisa@gmail.com.

      Excluir
  6. Julio a tinta acrílica é a mesma usada para artesanato? quantas mão de tinta pode ser dada no bambú? 0brigada,

    ResponderExcluir
  7. 2 mãos já e suficiente. Tinta artesanato a base agua.

    ResponderExcluir
  8. aqui no sertão, qual a melhor época pra armar as iscas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, na primavera e verão. Abraços julio.

      Excluir
  9. Boa tarde, que tipo de bico é esse que você usou ?

    ResponderExcluir
  10. queria comprar algumas iscas
    sou de moreilandia-pe
    email:henricoramon@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. boa tarde o alemao navarro vende, voce encontra ele no grupo meliponicultura do fecebook ....ok

    ResponderExcluir
  12. Olá amigo, no dia 09/07 encontrei um exame de jatai feito na terra em um buraco mesmo, ele era bastante forte pois fui violentamente atacado durante sua retirada. rs. Ocorre que não tenho experiencia e durante a retirada acabei por virar os discos de cria (aproximadamente 9) por todos os lados, além de transporta-lo na garupa de uma motocicleta onde eles foram bastante chacoalhados. Passado já um mês, observo que as abelhas tem trabalhado bem, fizeram um tubo de entrada, já propolizaram toda a caixa e tal. Será que as crias que estavam no disco podem ter morrido? No momento da retirada não vi a rainha, e se ela estiver ficado para trás, posso perder o enxame? quanto tempo dura o ciclo de nascimento de uma jatai? Desculpe tantas perguntas, mas agradeço caso possa responder. Obrigado

    ResponderExcluir
  13. Bom dia...Pelo visto tudo pode acontecer....tenho no blog dicas de como cpturar e transferir uma jatai...material para fazer o feromonio voce ja tem se o enxame definhar...aconselho deixa-lo se recuperar do ATAQUE sofrido....uma abelha vive no maximo 40 dias....

    ResponderExcluir
  14. Bom Dia, sou aqui de Aracruz mesmo, e queria parabenizar pelo blog, eu estou começando a criar( começando mesmo), e acredito que cm as ajudas de vcs vai dar certo, avisa quando for ter um encontro do pessoal que cria aqui?!
    Valeu aí!
    Meu nome é Micael , esse perfil ( Bekah Barreiros) é da minha irmã! kkkk

    ResponderExcluir