domingo, 1 de dezembro de 2013

Por que salvar as abelhas ?

Elas são responsáveis por um terço de tudo que comemos, 

mas estão sendo dizimadas em várias partes do mundo, 


inclusive no Brasil, abatidas por nuvens de agrotóxicos




Sergio Trevisan, apicultor da região de Araraquara, no interior de São Paulo, testemunhou a morte de todas as abelhas de suas 500 colmeias. Com elas, produzia 15 toneladas ao ano de mel e própolis. No apiário da família de Rodrigo Parisi, em Brotas (SP), foram 300 colmeias extintas praticamente de uma vez só. Essas duas histórias aparecem diluídas nos levantamentos de um grupo de estudos da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Eles apontam que cerca de 10 a 20 mil colmeias sumiram no Estado de São Paulo entre 2008 e 2010. No restante do Brasil, acredita-se que as perdas de colmeias sejam em torno de 20% ao ano.
chamada.jpg
OPERÁRIA
O trabalho de polinização das abelhas rende anualmente uma
quantidade de alimentos avaliada em 153 milhões de euros
O problema não é apenas brasileiro. Depois de assistir ao sumiço de 31% de suas abelhas no último inverno, os Estados Unidos até batizaram o fenômeno: distúrbio do colapso das colônias. Tudo indica que a mortandade dessas abelhas esteja relacionada ao uso de pesticidas da categoria dos neonicotinoides, utilizados na agricultura. Em grandes áreas, a aplicação é realizada por aviões. A substância chega até as abelhas de duas formas: diretamente pelo ar, o que as mata instantaneamente, ou pela contaminação das flores, o que atinge o sistema nervoso delas e as desorienta, a ponto de morrerem sem encontrar o caminho de volta à colmeia.
02.jpg
Para pôr um fim à matança, países da União Europeia determinaram a suspensão do uso desses pesticidas por dois anos, começando em julho próximo. No Brasil, o Ibama suspendeu, em meados de 2012, a pulverização aérea desses pesticidas enquanto um estudo sobre a relação entre morte das abelhas e neonicotinoides não fosse finalizado, o que deve ocorrer até o fim deste ano. “Até o momento, há indícios fortes do fenômeno. Já levantamos mais de 100 casos, do Piauí ao Rio Grande do Sul”, conta o coordenador geral de Avaliação de Uso de Substâncias Químicas do Ibama, Márcio Freitas. A pressão dos agricultores foi grande e o instituto recuou, restringindo o uso dos pesticidas apenas em épocas de floradas.
01.jpg
EXPLÍCITO
Uma rede de supermercados nos EUA produziu um anúncio mostrando
que 52% dos itens expostos dependem da polinização feita por abelhas
Não é apenas a saúde financeira dos apicultores que sofre com a morte das abelhas. A ausência delas afeta todos os seres que se alimentam de vegetais. Esses insetos são os mais eficientes polinizadores da natureza. Com seu trabalho, respondem por um terço de tudo o que comemos. Para explicitar o tamanho do problema, um supermercado americano removeu de suas prateleiras todos os produtos que dependem da polinização das abelhas para serem cultivados. A imagem deixa claro que, ao salvarmos as abelhas, estamos trabalhando na preservação da nossa própria espécie.
03.jpg
Fotos: Nathan Griffith/Corbis; Prnewsfoto/WholeFoods Market 
Revista Istoé - Independente  

Nenhum comentário:

Postar um comentário